A Dom Helder Escola de Direito sediará o lançamento do livro ‘o Direito Privado e o Novo Código de Processo Civil – Repercussões, Diálogos e Tendências’, coordenado pelos professores Felipe Peixoto Braga Netto, Michael César Silva e Vinícius Lott Thibau. Os professores Mariza Rios, Newton Teixeira Carvalho, Renato Campos Andrade e Élcio Nacur Rezende, também da Dom Helder, assinam capítulos da obra.

"Trata-se de uma obra que tem por temática a análise dos impactos do NCPC sobre o Direito Privado, em suas vertentes relativas ao Direito Civil, Direito do Consumidor e Direito Empresarial. A obra se destaca também por uma releitura crítica e construtiva dos modelos jurídicos privatísticos, tendo por pano de fundo, o necessário diálogo a ser delineado entre o NCPC e o Direito Privado, por meio da análise da doutrina contemporânea e do indispensável exame da jurisprudência, apresentando-se novos contornos e peculiares repercussões hermenêuticas", afirma o professor Michael César Silva. 

A obra coletiva conta ainda com a presença de autores renomados no cenário jurídico nacional com destaque para os professores Nelson Rosenvald, Cristiano Chaves de Farias, Cláudia Lima Marques, César Fiuza, Luis Alberto Reichelt, Marcos Ehrhardt, Paulo Nalin, Guilherme Calmon Nogueira da Gama, Humberto Theodoro Júnior, Marcia Carla Pereira Ribeiro, Vinícius Gontijo, dentre outros.

Sinopse
 
A abertura do sistema jurídico – sem desconhecer a relevância das regras jurídicas – acolhe generosamente os princípios, dotando-os de força vinculante. As ferramentas, conceituais e normativas, das quais o intérprete dispõe, neste século, autorizam a construção de horizontes de sentido que protejam mais amplamente o ser humano, à luz dos preceitos consagrados na Constituição da República.

Aliás, a revitalização que o Direito Privado experimenta se conecta com essa abertura. O Direito Privado dialoga não só com outras fontes normativas, mas também redefine suas respostas normativas a partir de (significativas) mudanças teóricas. Nossos passos, nessa medida, não são dados apenas pelas normas jurídicas, mas também por novos modos de percepção, democraticamente construídos.

Nessa linha de intelecção, o projeto normativo constitucional permeado pela dignidade da pessoa humana, solidariedade, igualdade, dialogicidade e fiscalidade impõe a transformação dos conteúdos normativos do sistema jurídico para coadunar com o processo de reconstrução dos paradigmas do Direito Pri­vado e do Direito Processual no contexto do Estado Democrá­tico de Direito.