Por Patrícia Almada
Repórter DomTotal

Você sabe o que é uma lawtech? Sabe como funcional uma startup jurídica? Como empreender na área tecnológica usando o direito como aliado?

Essas e outras perguntas foram respondidas e debatidas na tarde desta quarta-feira (6) no auditório da Dom Helder Escola de Direito e da Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE), no seminário “Lawtechs: startups que prometem revolucionar o setor jurídico”. O evento contou com a participação de Bruna Andrade, CEO da Bicha da Justiça, Tomaz Chaves, CEO da Juris Correspondente e Dubbio e do diretor executivo da XJUS, Selmo Fraga. Os palestrantes explicaram aos alunos como funcionam suas empresas lawtech, apresentando práticas diante da nova realidade do mercado de trabalho no direito. Além disso, tiraram dúvidas sobre o universo digital e startups. O evento, promovido pelo Núcleo de Ensino Personalizado (NEP), é uma extensão do Programa Startup Dom.

Veja também: Lawtech e legaltech: o que são e como elas estão revolucionando o Direito

Lawtechs são empresas e startups que desenvolvem soluções para múltiplos serviços, a maioria utilizando base tecnológica para revolucionar de alguma forma o setor jurídico.

Em entrevista, o CEO Tomaz Chavez destacou que mundo digital deve fazer parte dos estudantes e profissionais de direito. Até mesmo para uma boa colocação e diversidade profissional. “Talvez nesse mercado da advocacia tradicional exista uma impressão de que ele está saturado. Porém, existem hoje muito mais oportunidades para o advogado do que tão somente seguir uma carreira pública, através de um concurso público, ou advogar de forma tradicional. Esse advogado pode ser parceiro de negócios, de uma empresa, pode ajudar a evoluir startups”, explica.

Tomaz faz a gerência de duas empresas. Ele explicou que a Juris Correspondente é uma plataforma de conexão e terceirização de serviços entre advogados. “Moramos em um país de dimensões continentais. Muitas vezes o advogado de um escritório ou departamento jurídico, que atua de forma independente, tem que se deslocar para comarcas distantes da sua de origem para realizar serviços jurídicos que um colega poderia fazer no lugar dele. Assim, utilizando o aplicativo, há a diminuição do custo, pois outro profissional poderá executar o trabalho. O advogado correspondente tem uma oportunidade de trabalho. É como se fosse um freelancer jurídico.

Já o Dubbio é uma forma de conectar o advogado com a sociedade. “O Dubbio é um spin-off. É um novo negócio aproveitando de estrutura do Juris Correspondente. O Dubbio visa conectar o cidadão com o direito e os advogados. Qualquer pessoa que tenha uma relação com o mundo jurídico pode participar dessa rede. Sempre me incomodou essa distância entre o cidadão e o direito, seja na vestimenta, no linguajar utilizado, entre outras coisas. Com o advento da pesquisa na internet, em busca em informações jurídicas, criamos o Dubbio. É um grande repositório de informação jurídica descomplicada voltadas para o cidadão.

Para o coordenador do NEP, Rogério Vieira, o evento é uma oportunidade importante para o estudante que desejar ampliar os caminhos para o mundo on-line. “Estamos muitos satisfeitos com a repercussão das atividades que temos promovido na Dom Helder e na EMGE com temas relacionados à cultura startup. Este evento, por exemplo, extensão do Programa Startup Dom, marca de maneira exitosa o encerramento do seminário temático 'Lawtechs: como funcionam o ecossistema e as startups jurídicas', promovido pelo NEP”.

Além do seminário, Rogério lembrou que no ano passado foi criado o concurso de ideias para aplicativos Apps DomLab, com desenvolvimento de uma série de workshops e meet-ups de capacitação para professores e a distribuição de mais de R$ 40 mil em premiações.

“De lá pra cá, vários eventos com temas semelhantes têm sido realizados por nossas instituições. Um outro importante incentivador dessa cultura startup foi o início, neste semestre, do curso de graduação em Ciência da Computação da EMGE, criando uma forte sinergia com o curso de Direito da Dom Helder, uma vez a afinidade dessas duas matérias em face a revolução da indústria 4.0. Anunciamos agora a possibilidade, para os próximos semestres, de estudantes da Dom Helder poderem cursar disciplinas isoladas de programação no curso de Ciência da Computação da EMGE, bem como o lançamento de um seminário temático sobre construtechs”, disse.

Participou também das atividades como mediador o professor da Dom Helder Vinicius Roman.

Professor Vinícius Romam dá início aos trabalhos do seminário
Professor Vinícius Romam dá início aos trabalhos do seminário
CEOs, o coordenador do NEP Rogério Vieira e o professor Vinícius Romam
CEOs, o coordenador do NEP Rogério Vieira e o professor Vinícius Romam
Professor Vinícius Romam dá início aos trabalhos do seminário
Professor Vinícius Romam dá início aos trabalhos do seminário
Professor Gésun Prestes, a pró-reitora Anacélia Santos Rocha e o coordenador do NEP, Rogério Viera
Professor Gésun Prestes, a pró-reitora Anacélia Santos Rocha e o coordenador do NEP, Rogério Viera
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade conversa com os participantes do evento
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade conversa com os participantes do evento
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade conversa com os participantes do evento
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade conversa com os participantes do evento
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade conversa com os participantes do evento
A CEO da Bicha da Justiça Bruna Andrade conversa com os participantes do evento
O diretor executivo da XJUS Selmo Fraga
O diretor executivo da XJUS Selmo Fraga
Selmo Fraga apresentou a XJUS para os participantes do seminário
Selmo Fraga apresentou a XJUS para os participantes do seminário
Selmo Fraga apresentou a XJUS para os participantes do seminário
Selmo Fraga apresentou a XJUS para os participantes do seminário
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
O CEO das empresas Juris Correspondente e Dubbio, Thomaz Chaves
Plateia durante o seminário law tech
Plateia durante o seminário law tech
O coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado, Rogério Vieira agradece a participação de todos
O coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado, Rogério Vieira agradece a participação de todos
O coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado, Rogério Vieira agradece a participação de todos
O coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado, Rogério Vieira agradece a participação de todos
Foto 'fora da caixa' para o seminário Law Techs
Foto 'fora da caixa' para o seminário Law Techs
O coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado, Rogério Vieira agradece a participação de todos
O coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado, Rogério Vieira agradece a participação de todos